Serra e Dilma empatados em pesquisa eleitoral para Redes sociais

Durante uma semana foram pesquisados os usuários de redes sociais para detectar a intenção de voto dos internautas para o segundo turno das eleições presidenciais. Falou-se muito sobre essa campanha ser influenciada pelas novas mídias, mas ainda é cedo para saber se no Brasil a internet ajudou ou atrapalhou nessas eleições. Veja aqui o resultado dessa pesquisa inédita.
» Read more

Não sou perito, mas não sou burro! Globo insiste em farsa para favorecer Serra

Foi-se o tempo em que tudo que aparecia na televisão era a mais pura verdade incontestável. O que a grande mídia esquece é que hoje temos acesso à praticamente as mesmas tecnologias que eles. Nem tudo o que vai na caixa mágica é crível imediatamente. O que vemos é o descrédito da mídia tradicional ao querer favorecer o candidato da oposição, achando que o povo é burro.
» Read more

Em quem você votará no Segundo Turno? Pesquisa eleitoral para Redes-sociais

Estamos diante de um segundo turno nas eleições presidenciais, que acontecerá no dia 31 de outubro (2010), entre os candidatos Dilma e Serra. Como fizemos aqui para o primeiro turno, agora queremos fazer mais uma pesquisa eleitoral voltada para o público usuário de redes-sociais. É um simples questionário que leva menos de 30 segundos para responder e poderá nos dar um cenário de como pensa o eleitor que troca informações na internet.
» Read more

Em quem você votará para Presidente? Pesquisa em Redes-sociais

Vendo todas as pesquisas eleitorais feitas até o momento, nenhuma contempla unicamente as intenções de votos de usuários de Redes-sociais digitais, como o Twitter e FaceBook. Em tempos de tanta força da internet, seria interessante ouvir a intenção de votos daqueles que supostamente têm acesso irrestrito à informação na velocidade de um clique. Assim resolvi criar esse pequeno modelo de pesquisa para saber a intenção de voto para presidente em primeiro turno. Leva menos de 1 minuto para responder.

A metodologia e os critérios usados estão logo abaixo do formulário. Você precisa responder todos os 5 campos para validar sua participação. Seus dados serão mantidos em sigilo total. O resultado será divulgado aqui mesmo no LemosIdeias.com.

Data de início da pesquisa: 09/09/2010.
Data final da pesquisa: 15/09/2010.

Essa é uma pesquisa de amostragem que visa recolher dados de intenção de voto para o cargo majoritário de Presidente da República do Brasil, referente ao primeiro turno a ser realizado em 03 de outubro de 2010.

Esta é uma pesquisa independente, realizada por Marcos Lemos do blog [ FerramentasBlog.com ]  e LemosIdeias.com, e não representa nenhuma sigla partidária ou coligação, nem mesmo empresas ou entidades.

O método dessa pesquisa é a divulgação da mesma pelas redes-sociais digitais, onde as pessoas podem livremente participar dizendo de sua intenção. Os dados pessoais recolhidos não serão divulgados de nenhuma forma, nem serão usados ou comercializados, servindo apenas para individualizar as participações.
Segue o modelo de amostragem, no caso uma amostragem do eleitorado usuário de redes-sociais digitais como o Twitter e FaceBook, bem como leitores de blogs variados.

Os resultados obtidos serão divulgados no blog http://www.lemosideias.com/.

Obs.: Segundo resolução do TSE no. 23.190, entendo que apenas entidades e empresas (pessoa jurídica) são obrigados a registrar suas pesquisas. Essa é uma pesquisa feita por pessoa física e não se enquadra nos limites da resolução estabelecida.

Não foi investido nenhum valor monetário. Esta pesquisa não foi encomendada por ninguém ou nenhuma empresa ou entidade. Esta pesquisa tem custo estimado em R$ 0,00 (zero reais) e não será comercializada/vendida para nenhum órgão, empresa, entidade ou mídia.
Sou o único responsável pela coleta de dados e a divulgação dos resultados, segundo o uso do sistema Google Docs, cujos gráficos é que serão usados para exibir os dados aqui colhidos.

E como a internet influenciará as eleições presidenciais 2010 no Brasil?

dilma-serra-marina Com toda certeza essa é a dúvida que paira na cabeça dos “marketeiros”, desde que Obama venceu nos EUA. É certo que a internet não vence a eleição para ninguém, mas hoje é um fator de peso na decisão de votos e é um novo “lugar” de campanha, praticamente tirando boa parte da força que a mídia tradicional tinha em tempos recentes. Fiz uma pesquisa informal para ajudar a ilustrar isso e quero sua opinião.

Realizei uma pequena pesquisa via formulário criado no Google Docs e divulgando o link para votação no meu Twitter (@hordones), que vou re-tuitado por outros. Foram pouco mais de 5 horas aberto a votação com duas perguntas simples:

  • Em quem você tem intenção de votar, no momento, na próxima eleição para Presidente do Brasil?
  • Em quem você NÃO votará (votaria) de maneira nenhuma?

E estes foram os resultados:

votar-resultado-pesquisa

nao-votar-resultado-pesquisa

Votaram 336 pessoas.
Assim, para a primeira pergunta tivemos a Senadora Marina Silva (PV) com 45% das intenções de voto, seguida do Serra (PSDB), 38% e Dilma (PT) com 12%. Branco, Nulo e Outros (Other) somaram 5%.

Na segunda pergunta a intenção foi verificar a rejeição dos pré-candidatos. O que vemos é que a Dilma tem uma rejeição muito grande (72%) e o restante, com 13% não votaria em José Serra de “maneira nenhuma”.

Os critérios dessa pesquisa foi a espontaneidade e não seguiu nenhum modelo padrão de pesquisas eleitorais nem foi registrada em lugar algum. Quis mesmo fazer algo informal, como um bate-papo, para ouvir as pessoas que me seguem no Twitter. Tem grandes falhas os resultados apresentados, mas não perde credibilidade ao querer mostrar o mais importante: todos podemos colher informações e promover debates na internet, sem o controle e supervisão da mídia tradicional e sem depender de terceiros.

A internet nos dá a capacidade de interagir rapidamente, propagar informações, produzir algo e mover pessoas em torno de debates pertinentes a elas mesmas.

Penso que a Senadora Marina Silva poderá levar grande vantagem nesse modelo, principalmente por vermos que a aceitação que tem é bem maior que seus adversários. O que a internet leva para essas eleições é não ficarmos presos a uma eleição bilateral e os debates exigirão dos marketeiros bem mais do que uma cara bem maquiada: terão que debater idéias.

E você: o que acha disso tudo?

Revista Veja e suas capas tendenciosas

Já está claro que não sou muito fã da Revista Veja, mas a culpa não é minha: eles insistem eu produzir conteúdo medíocre e tendencioso, quase querendo nos obrigar a crer em falácias. Já mostrei outras capas da revista aqui (é que nunca consigo ir além da capa e abri-la para ler) e lá vem mais uma, agora para as eleições. Temos um  Obama branco e de direita…

Para quem não viu a outra capa que citei, recomendo para entender do que vou mostrar abaixo:

Então encontrei um artigo do ImprenÇa, que recomendo: Da mediocridade, odes mínimas. Pode parecer perseguição, mas insisto: a Veja fica dando motivos para ser criticada e não ser levada a sério, mas há quem insista em acreditar em tudo que vê e se deixa levar.

veja_serra-obama A capa é uma imitação explícita da TIME com a vitória do Obama! (fonte)

Mas o que me deixa incomodado é o texto da capa: "Serra e o Brasil Pós-Lula". Como assim? Já acabaram as eleições e Serra venceu? A mensagem que a revista quer passar é bem clara e objetiva, não deixando dúvida de seu apoio ao (ainda) candidato José Serra do PSDB.

O que fica claro também é a tentativa de mudar sua imagem carrancuda e intimidadora, para alguém simpático. O que só funciona enquanto ele está de boca fechada ou no twitter por ter apenas 140 caracteres.

Estranho mesmo é que a Globo (que sempre se mostra tendenciosa à direita) até parou de exibir sua propaganda de 45 anos, simplesmente por ser o número do PSDB e para não ser acusada de pró-Serra (leia aqui sobre: Globo 45 anos. Censura?). Mas parece que alguns meios de comunicação nem se dão mais ao trabalho de fingir.

Desculpa, mas não resisti à piada!

namoradeira Ficou super meiga… a foto! (#piadapronta)

Comparando o Currículo de Dilma e Serra: a ignorância política do brasileiro

dilma_serra Nesse tempo de eleições é que percebemos como os políticos tendem a nos tratar como ignorantes. Pior ainda são aqueles que se deixam manipular, não questionam as informações recebidas e ainda as repassam como uma verdade a ser defendida. O e-mail do momento é uma série de imagens comparando o “currículo”, o suposto histórico de vida dos candidatos à presidência de 2010, onde dou destaque ao que é falado sobre José Serra (PSDB) e Dilma (PT).

Curriculo-candidatos-dilma-serra

*Clique na imagem para ampliar e ver detalhes.

Não precisa ser nenhum gênio para perceber a tendência em defender a candidatura do Serra e denegrir a imagem da Dilma. Antes que alguém diga que estou “lulista”, “petista” ou “esquerdista”: estou defendendo o bom-senso e a inteligência. Minha preocupação é com nossa capacidade de perceber quando estão querendo manipular nosso entendimento da realidade.

Vamos a um exemplo do quadro ao lado: A primeira comparação é a origem “humilde” de Serra e a origem “burguesa” da Dilma. Realmente o Serra parece ter tido um passado mais sofrido e pobre (classe média), mas se isso é elogio agora, por que não foi quanto à origem pobre e miserável do Lula?. Se usarmos a mesma comparação como qualificador de um candidato, a Marina Silva (PV), se destaca muito mais e sua origem realmente humilde e sofrida é bem mais parecida com a da maioria dos brasileiros.

Infelizmente esse é o modelo de debate político no Brasil. Debatemos não projetos e ideais, nem comparamos idéias, planos para o futuro ou realizações a longo prazo. Nem precisa ser uma conversa de boteco para ouvirmos as mesmas bestas comparações desse quadro. Esse mesmo modelo está diluído nos jornais e revistas e vamos bebendo dessas doses homeopáticas de ignorância e manipulação.

Contra Cuba, todos tem muita coragem!

bandeira-de-cuba No primeiro dia de janeiro de 2003 eu estava entre a multidão em Brasília esperando a posse do presidente eleito. Estava a pouco metros do Palácio do Planalto e vi passar uma comitiva de policiais e seguranças fortemente armados, diante de mim e o silêncio tomou conta da multidão. Caminhando imponente e muito alto, destacando-se no meio dos homens de sua guarda, estava o Presidente cubano Fidel Castro.

No dia 2 de janeiro adiante, fui à posse do ex-Ministro da Educação, Senador Cristovam Buarque. De repente o silêncio se instaurou e eu estava a menos de dois metros do mesmo Fidel Castro.

Goste ou não, concorde ou não com suas posturas e legado, o ex-presidente cubano é dono de 50 anos da história do século XX. É impossível contar a história daquele século sem citar tal homem e sua minúscula ilha que apavorava a super potência.

A noticia da semana foi a condenação que a União Européia publicou em sua resolução pela “morte de Orlando Zapata , preso político que morreu em 23 de fevereiro após uma greve de fome de 85 dias por melhores condições na prisão“.
(O Globo, Mundo, 12/03/2010)

Minha única pergunta é (retórica, claro): Repudiam Cuba pelo ato de atrocidade de deixar um homem morrer de fome? Também não concordo com a opressão do regime daquele país, mesmo tendo coisas louváveis e outras tantas condenáveis. Mas a minha indignação é quanta coragem tem a União Européia e o resto do mundo em se pronunciar contra o que faz o governo da pequena Ilha.

Estranho mesmo é a falta da coragem em condenar os Estados Unidos da América pela devastação no Afeganistão e no Iraque – sem contar que não me lembro de uma resolução da UE condenando a guerra de forma tão veemente. Faltou coragem ao resto do mundo em condenar Guantánamo e outros crimes de guerra promovidos pelos EUA. Não encontrei no Google referências à UE condenar o trabalho subumano na China e suas fábricas explorando crianças, nem a condenação por matar centenas de “inimigos políticos” deles mesmos.

Ah! Israel deixar morrer centenas de milhares de Palestinos, de fome e sede, não é condenável? Onde mesmo posso ler uma resolução da UE sobre esse assunto? Claro, não existem.

É, contra Cuba, qualquer um tem muita coragem.

Afinal, o que pensa FHC e a confusão do discurso do PSDB

fhc-fernando-henrique Hoje (7 de março de 2010) o nosso ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, nos presenteou com um ótimo texto para mostrar o quanto o PSDB está perdido em seu discurso político, especialmente agora que estão à berlinda de mais um ano eleitoral que possivelmente será um fisco para Serra/Aécio-e-companhia. Vou destacar apenas um ponto “estranho” do texto do FHC e indicar a leitura dos comentários do Luis Nassif, mas detalhados.

O PSBD tem um problema sério para resolver esse ano: ao reafirma seu discurso de direita elitista de vez ou entra em contradição total para tentar usurpar as eleições presidenciais de Outubro de 2010. Pelo jeito vão optar por tentar nos ludibriar (como sempre fazem). Veja o que escreveu o FHC nO’ Estadão de hoje:

“Perdemos tempo com uma discussão bizantina sobre o tamanho do Estado ou sobre a superioridade das empresas estatais em relação às empresas privadas, ou vice-versa. Ninguém propõe um “Estado mínimo”, muito menos o PSDB.”
Leia a íntegra aqui.

Como é? O PSDB não propõe um “Estado Mínimo”? E o que foram as privatizações e a dependência/manipulação externa que sofremos em seu governo? O PSDB durante o governo de Fernando Henrique Cardoso entregou tanto o Estado ao controle externo e privado que nem nosso Banco Central tinha a mínima autonomia. Até nossas contas públicas e o investimento eram auditados pelo FMI e Banco Mundial.

O que vejo é o PSDB diante de um problema de discurso que a população já não vai aceitar. Não queremos controle externo, nem que a extrema direita assuma o poder para levar a população mais pobre à miséria e entregar o país na mão da elite descontrolada. (Ok! fiquei parecendo um “vermelho” fanático).

Não é pra defendermos um Estado Total (ou totalitário) controlador de tudo, mas vir o PSDB dizer, pela boca do FHC, que “Ninguém propõe um “Estado mínimo”, muito menos o PSDB“, me desculpe, mas nesse conto-do-vigário eu não caio.

Por fim, só mais um trecho, que nos quer fazer de trouxas:

“Nem só de economia e políticas sociais vive uma nação. Os escândalos de corrupção continuam desde o mensalão do PT.”
(do mesmo artigo)

Como é? A corrupção no Brasil começou com o “Mensalão do PT”? E não foi com “mensalão” que nosso ex-presidente conquistou o direito constitucional de se reeleger? Só pra citar um fato. Querer nos convencer de que só o governo Lula é corrupto é o mesmo que querer convencer brasileiro de que Maradona é melhor que Pelé. O triste mesmo é que parece utopia sonhar com um governo honesto para esse país “tropical… abençoado por Deus (?)…“.

Ah! Leia o texto do Luis Nassif que comenta cada trecho da opinião do FHC.

É uma boa ilustração do quanto tentam manipular a informação com sutilezas de linguagem, para disfarçar um discurso “falso-ufanista”. Recomendo que veja também os seguintes artigos aqui publicados:

Como manipular informações é a prática da Mídia brasileira

Vivemos em um país de liberdade de expressão incontestável, mas o que é de se contestar é a forma como a mídia tradicional da velha oligarquia e a extrema direita (quase fascista) que vive aqui no Brasil, tem manipulado descaradamente a informação, até para tentar nos manipular, roubar nossa capacidade de contestar e enganar livremente os mais incautos. A Revista Veja é sempre o clássico exemplo de como se manipula a informação e se distorcem fatos, textos e imagens. Mas é sempre bom ilustrar o exemplos, para falarmos de forma mais concreta.

Não há muito o que dizer, basta ver o que está em uma coluna do site da Revista Veja, do Augusto Nunes:

veja-lula-terremoto-augusto nunes

Uma clara demonstração de como uma péssima capacidade interpretativa e algo tirado totalmente de contexto, pode ser deturpado por uma mente deturpada. O senhor jornalista(?) Augusto Nunes tenta nos induzir a interpretar que o Presidente Lula, falava unicamente do terremoto e nomeando as nações ricas como provocadores do desastre.

Tentei comentar na coluna desse senhor e dar minha opinião. E o que aconteceu? Ele, como fez ao discurso do Lula, editou e recortou minha opinião para distorcer o que eu realmente quis dizer e poder manter sua postura de déspota:

coment-veja1

Mas não parou aí. Eu insisti, repudiando a atitude do senhor Augusto Nunes. Como dono da página, poderia simplesmente ignorar meu comentário e não publicar, já que defendi uma opinião contrária e coloquei às claras a manipulação dele em sua opinião factóide. E o que ele fez com meu novo comentário?

coment-veja2

E, antes que alguém argumente que eu possa ter escrito muito, foram apenas pouco mais de 150 palavras, bem menos que outros que se deixaram manipular pelo colunista e sua opinião deturpada da realidade. Fui o único que teve o comentário editado e CENSURADO. Mas é claro que a Veja e seus comparsas não sabem o que é ser censurado e ter sua liberdade de expressão barrada. Aquilo que fingem defender, aplicam a outros que têm opinião contrária… estranho!

Como bom leitor e entendido de mídias sociais digitais que sou, fui até o formulário de comentários para discordar da forma como o colunista (jornalista?) da Veja tenta interpretar essa informação. Numa lógica clara e avaliando todo o discurso do Presidente Lula, só se pode afirmar que o resultado do desastra foi provocado por dois séculos de exploração de nações ricas, à nação Haitiana. A pobreza generalizada faz com que desastres naturais tomem proporções ainda piores.

Se compararmos com o Japão, um mesmo terremoto ou até pior, não causa nem mudança na rotina diária daquele povo. Eles dominam a tecnologia necessária para viver em segurança, mesmo diante de eventualidades imprevisíveis. O simples abandono de um povo mais pobre e marginalizado, como foi em Nova Orleans nos EUA, mostra que os pobres, quando abandonados pelos ricos vão sofrer muito mais. E o caso de Nova Orleans serve bem para comparar com o Haiti: pobres, negros e explorados pelos brancos ricos.

A opinião do Lula sobre o terremoto? Está certo, a culpa é dos ricos!

ATUALIZADO: Infelizmente os critérios do senhor Augusto Nunes quanto ao que aprovar em sua coluna, são bem estranhos. Não aceita opinião contrária, mas permite que haja ofensas, como as que mostrei acima, e até comentários chulos e de baixo calão, ofensivos:

coment-veja3

Vale lembrar o que eu citei antes: Não permita ofensas pessoais e comentários que não agregam valor ao seu conteúdo. Esse tipo de situação só faz piorar a imagem de qualquer site ou blog. Nesse caso só prova o quanto o autor da coluna em questão é tendencioso e permissivo em sua forma de agir.

1 2 3 4