24. Pesquisas e a vida humana

Diante dos recentes debates sobre pesquisas com Células-tronco embrionárias aqui no Brasil, gostaria de disponibilizar alguns textos para aqueles que querem entender melhor a posição da Igreja Católica frente a essa questão tão delicada.
Esse assunto vai muito além do foco da mídia que pergunta unicamente “onde começa a vida humana”. Não responde, nem resolve todo o problema, saber se há vida humana em um amontoado de células congeladas em laboratórios de fertilização. As questões de moral e ética estão no respeito irrestrito ao cuidado pelo ser humano em todas as suas fazes de desenvolvimento, mas principalmente quando esse ser-humano não pode ou não é capaz de manifestar-se até com aparência.
Se olharmos para a história, em um passado bem recente, veremos momentos em que a humanidade discutia, em alguns lugares, se crianças nascidas com algum grau de deficiência (física ou metal) poderiam ser sacrificadas (abortadas tardiamente) para garantir uma humanidade mais “pura” ou simplesmente para evitar custos financeiros elevados, não só dos pais, mas também do Estado.
Hoje, ao consideramos tal possibilidade absurda, alguns querem admitir que pais (especialmente a mãe) possa escolher interromper uma gravidez de um filho com algum problema genético ou de má formação. Apenas mudamos o dilema de lugar. Se antes cogitava-se a possibilidade de matar uma criança “inválida”, por quê não antes mesmo de nascer?
Atribuímos utilidade às pessoas.
É contra isso que a Igreja luta. A vida humana não é um bem de consumo. Não se aceita a coisificação do ser-humano apenas como objeto de utilidade imediata e/ou descartável, especialmente em se tratando da vida. Se a humanidade passar a perder o sentido do outro, perderemos a noção de nosso próprio valor.
E, se a ciência quer pesquisar células-tronco, que a obtenham de outras maneiras e com outras técnicas, que hoje são reconhecidamente possíveis e viáveis (p.ex. da medula óssea).
Para terminar, levanto outra dúvida:
A quem beneficiará tais pesquisas? Sendo apenas para quem puder pagar o valor dos avanços ou sendo para distanciar cada vez mais pobres de ricos, segregando a humanidade em castas (puros e impuros; úteis e inúteis), podem ter certeza, a Igreja será contra.
.
[seguem dois links para textos oficiais da Igreja Católica sobre o tema. Site do Vaticano.]

Compêndio da Doutrina Social da Igreja (Ver os parágrafos: 235; 236; 237).
Este Compêndio reúne toda a Doutrina social em seus diversos temas. Uma ótima fonte de estudos. Vale a pena encontrar e comprar em alguma livraria Católica.
Outro link que vale a pena conferir é do Supremo Tribunal Federal.
Na parte de Notícias do dia 29 de Maio de 2008, é possível conhecer um resumo dos argumentos de cada Ministro (clique aqui).
.

Deixe uma resposta